Recorte Modernista

Exposição e Vendas nº 50 22 de setembro a 18 de novembro de 2017

Um brinde à arte brasileira
por Ricardo Camargo

Em nova fase da minha trajetória de 43 anos no mercado de arte, convido para o coquetel de apresentação de uma especialíssima seleção de obras brasileiras de arte moderna e contemporânea, abrangendo vários períodos e linguagens.

Entre obras inéditas e raras e outras que, já expostas, devem ser reavaliadas com um novo olhar, desponta a pintura de Cândido Portinari, Café, de 1937, maquete em têmpera e óleo sobre madeira do mural realizado pelo pintor no Palácio Gustavo Capanema, o edifício do Ministério da Educação e Cultura, no Rio de Janeiro, marco do modernismo nacional. A maquete é uma das 28 pinturas que Portinari realizou sobre o tema do café.

Da década de 30 até a efervescência dos anos 70, destaca-se no horizonte da vanguarda tropical a antológica Paisagem, de Rubens Gerchman, escultura de letras e palavras em aço, de 1971, feita em Nova York. Pela sua atualidade e importância histórica é uma obra que deve ser revista.

A força gestual da pintura dos anos 80 surge em todo o seu esplendor de cores e formas na tela de Jorge Guinle, A Mulher do Marinheiro, de 1986, óleo em grande formato que ficou exposto durante 10 anos no estrelado hotel Copacabana Palace, no Rio.

O diversificado garimpo de peças traz ainda várias surpresas em pintura, esculturas e obras sobre papel. São descobertas que, vivendo agora um novo momento, faço questão de compartilhar com meus clientes e amigos neste coquetel que brinda a vitalidade da arte brasileira.

Obras participantes