Modernariato & Streamline: coleção João Pedrosa

23 de junho a 13 de julho de 2012

Modernariato, Arte e Design vintage do século XX
por João Pedrosa

Modernariato é o oposto do antiquariato, pela época, mas não na mentalidade. Refere-se ao colecionismo de design do século XX, assim como do atual. O “Espírito das Peças” poderia ser um dos nomes dessa exposição. Aqui estão colecionadas e expostas 300 peças de 8 coleções.

Um terço são highlights globais, pelo nome, look, estilo, material e/ou, safra. Todas foram escolhidas por suas características centrais, aquilo que as define, o que as torna o que são: o testemunho do espírito de um artista em forma tridimensional, como uma presença escultórica, e conceitual também. O material as agrupa, mas o desenho as seleciona. Devem exprimir, com um mínimo de linhas, cores, ou matérias, o máximo de um estilo, ou de uma personalidade. Meu artista/designer ideal é um engenheiro com sensibilidade estética.

Uma pessoa sensível para a construção. Bom desenho está em qualquer lugar. A nostalgia, sempre tão presente numa coleção, não tem lugar na minha, nela, o que vale é o look, o design da peça, ou da obra de arte. Apesar de que, no streamline, o design, e a tecnologia profetizam um futuro brilhante. O meu colecionismo, colhe por trás, mas olha para a frente. Ele que nos trouxe até hoje, é um bom desígnio para o futuro. Rapidamente: simplicidade, ergonomia, durabilidade, consistência. É o que importa. A arte foi colhida com muito amor, muita amizade, várias, em tempos mais gentis.

A foto foi colecionada, na acepção da palavra, de conhecer, estudar, comparar e selecionar cuidadosamente cada artista, e suas respectivas imagens/viagens. J. Carlos, um gênio do traço psicológico, foi uma paixão, um encontro fenomenal. O mobiliário, o símbolo maior do design, traz como nas outras coleções, uma linha do tempo com nomes e estilos notáveis. Cerâmicas são um ceramix de só 30%, de uma seleção de mais de 100 peças! Os vidros, entre grandes nomes suecos e italianos, franceses e austríacos são também destaques.

Até os acessórios decorativos, considerados artes menores, tem grande design vintage, e não decepcionam. Espero que todas elas tenham para quem as experimentarem, como para mim, um gosto de linha do tempo em peças únicas, que tornem visualmente uma mentalidade, e um gesto genial, eternos, pelo menos, enquanto durem.

Streamline, ou o Estilo Aerodinâmico

Streamline quer dizer literalmente, a linha do córrego, é a formalização da velocidade através das formas, e do design de peças/produtos. Após 1929, durante o caos da grande depressão, a gota aerodinâmica como forma, foi um símbolo do progresso e da eficiência. Nascida de princípios científicos e adaptados para aeroplanos, trens, barcos e outros objetos do cotidiano, o desenho aerodinâmico foi logo identificado com a modernidade, substituindo as formas angulares ornamentadas, dos anos vinte.

Como estilo minimalista, se baseia em só dois elementos, a gota, que significa velocidade/ penetração, e as três ou mais linhas horizontais paralelas, que significam deslocamento. O estilo aerodinâmico de uma certa maneira salvou a economia da depressão, pois as peças eram tão sedutoras visualmente, que se vendiam muito bem, mesmo numa economia em dificuldades. Elas prometiam e antecipavam o futuro, através do desenho, do uso, e da forma.

Na década seguinte à quebra da bolsa de 29, surgiu uma profissão nova na América, o designer industrial. Raymond Loewy, Normam Bel Geddes, Henry Dreyfuss, Walter Dorwin Teague, e outros designers, usaram princípios aerodinâmicos em produtos pequenos e grandes do cotidiano, tornando-os mais atraentes, seguros e funcionais.

Trens, carros, barcos, hidroaviões e mesmo outros objetos que não se moviam em alta velocidade, foram redesenhados dentro do que veio a se chamar o estilo aerodinâmico, ou seja, Streamlined Style, perfeita adaptação ao uso humano, ergonomia, e acabamentos como o cromado e o esmalte, que traduziam uma limpeza visual e prática. Entre 1933 e 1948, considerado o período oficial do estilo, existem dois looks distintos, um cinza e prata, mais bólido, o original, dos anos 30, e outro bege e marrom, mais desenhado, dos anos 40.

Esses peças são hoje objetos/fetiches para admiradores do design industrial. Um dos mais emblemáticos objetos do estilo é o car-mascot, ou ornamento de capô, por suas associações óbvias com o fálico e o potente. Por ser um estilo principalmente de design industrial, o aerodinâmico é melhor exemplificado por eletrodomésticos, como rádios, relógios, máquinas fotográficas, grampeadores, aquecedores, tinteiros, e outros objetos de uso pessoal.

streamline style foi o primeiro estilo típicamente norte-americano de design. Ele surgiu da necessidade de se vender máquinas durante a grande depressão americana, e conseguiu seu intento com o seu poder de sedução visual. Ele termina não oficialmente em 1939, com o começo da 2a guerra mundial. 80 anos depois e muitas conquistas formais e tecnológicas realizadas, a sedução formal do aerodinâmico ainda é uma realidade, como provamos aqui.

Obras participantes